Regimes Horríveis Diversos

Tenho um amigo que faz o regime paleolítico. Está em moda. Realmente deixa o corpo sem 1 grama de gordura. Inspira-se em como o ser humano se alimentava no Paleolítico: carnes gordurosas grelhadas, assadas, bacon, galinha frita. Zero de carboidratos. Algumas verduras, como o brócolis, são permitidas. Já vi meu amigo devorar travessas de cupim e torresmo. Para testar sua firmeza, convidei-o para jantar em casa. Ofereci uma travessa de pés de frango, com as unhas. Fugiu, enojado.

– Acha que os frangos iam à manicure durante o Paleolítico? – quis saber.

– Sou traumatizado com pés de frango. Não como – respondeu.

– Naquela época, os homens deviam comer as galinhas cruas, com as penas – argumentei.

– O que importa é minha barriguinha de tanque.

Ficamos por aí. Ele devora travessas de comida, mas está sempre com fome.

– Acha que seu fígado vai suportar?
– perguntei.

Permaneceu em silêncio. Está pensando em mudar de dieta.

Outra invenção insuportável é o terror a lactose e glúten. Ambos tornaram-se, de um instante para outro, vilões absolutos da boa saúde. Evitar o glúten é uma tarefa quase impossível, que exige empenho. Está presente em quase tudo o que se pode encontrar numa gôndola de supermercado. A lactose também, é frequente nos alimentos. Mas as pessoas avisam, horrorizadas:

– Evite o pão, que tem glúten.

Fui a uma loja especializada comprar pão sem glúten. Parecia um pedaço de isopor endurecido. Surpreso, descobri que a hóstia na Igreja tem glúten. Um hidratante corporal pode ter. E nem falar de macarrão, pizzas, bolachas, cervejas, uísque ou vodca. Raramente um restaurante oferece alimentos absolutamente sem glúten. Daí para a frente. Há pessoas que nascem com intolerância. São os celíacos, que se forem a um dos melhores restaurantes do mundo, como o D.O.M. de Alex Atala, levarão um lanchinho sem graça. A formiga amazônica com pó de ouro, destaque do menu de Atala, deve ter glúten também. Afinal, tudo o que é bom tem.

Quem nasce com a intolerância submete-se a uma dieta controlada a vida toda. Mas por que resolver unir-se a esse grupo de sofredores por vontade própria? Há teses médicas, mas que não fazem parte da cartilha do CRM. Segundo as tais, o glúten e a lactose fazem muito mal. Eu avalio o devotamento antiglúten de outra perspectiva. As dietas são criadas para atormentar as pessoas. Não é para torná-las mais saudáveis nem mais felizes, e raramente mais magras. Mas para fazer da vida de quem as segue um suplício. Deve haver um grupo de nutricionistas americanos cujo objetivo é enlouquecer a humanidade. Como? Inventando dietas que se tornam seitas, como a do glúten. Quem segue só pode ter vida social com seus comparsas antiglúten. Não se divertem num bar, não comem bolo em festinha de aniversário. Se jantam em casa de amigos, são tantas as exigências que é melhor nem convidar.

Agora vem o pior. Intolerâncias podem ser adquiridas. Após dois anos sem lactose, por exemplo, a pessoa pode desenvolver uma intolerância definitiva. Aí, sim, estará unida ao batalhão de pessoas que nascem com essa condição. E terá de enfrentar as restrições pelo resto da vida.

Eu me pergunto. Por que a gente enlouquece por dietas? Às vezes a desculpa é que é saudável. Outras, que ficaremos em boa forma. Eu já tive minha cota de tortura. Certa vez fiz um regime em que tomava um hormônio de gravidez. Juro. A explicação científica, segundo o médico:

– Você comerá o mínimo. O hormônio fará com que seu corpo “pense” que você é uma mulher grávida. E absorverá todas as suas reservas de gordura para salvar o bebê. Só que não há bebê, e a gordura vai embora.

Acreditam? Pois é, topei. Nem massagem com creme podia fazer. Comida, o mínimo. Mas o regime só durava dez dias. No final, mal podia caminhar de fraqueza. Será que uma grávida se sente assim, céus? Perdi 4 quilos. E não aproveitei a melhor festa da minha vida, do meu amigo Ricardo, com os pratos mais fabulosos que já vi. Até hoje me arrependo ao lembrar-me das bandejas de salmão, de camarões!

Quilos perdidos a gente acha depressa. Estão aqui de volta, os 4. Aprendi. Dieta é que nem moda. Um dia os decotes são maiores, depois sobem. Cada ano, vem um novo regime, restritivo, como eu disse, de alguma associação de nutricionistas malvados. No ano retrasado, não foi o Ravenna?

Podem pôr na mesa: glúten, lactose, o que for. A vida continua! Nenhum regime tortura me pega mais. Bem…nunca se sabe!

publicado na Época

regimes atormentantes

Comments

comments


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *